Follow by Email

domingo, 8 de janeiro de 2012

RUBROS LÁBIOS - De Rosa Edna Bulcão

Imagem copiada de bp.blogspot.com
Rubros lábios de perfeita carne nua,
de fogo arde em desejo a boca tua,
meu corpo treme em anseio aos beijos teus
minha pele grita:
vem, vem e seja todo meu!

De: Rosa Edna Bulcão


quinta-feira, 5 de janeiro de 2012

Fotógrafa registra a velhice dos animais- Publicado na Rádio Novo Tempo dia 04/1/2012


Vídeos e fotos de animais estão entre os maiores sucessos da internet. Todo mundo clica para ver um gatinho brincando com uma caixa. Um cachorrinho fazendo arte. Eles são fofos mesmo – não há o que discutir. Mas nunca tinha reparado que grande parte dos bichos que fazem sucesso na web tem algo em comum: são filhotes. Assim como os rostos de pessoas jovens, as carinhas redondas dos filhotes dominam a mídia. É raro nos depararmos com rugas, com cabelos brancos, com flacidez. E também é raro nos depararmos com a velhice dos bichos.
O novo trabalho da fotógrafa americana Isa Leshko, Elderly Animals (Animais idosos), registra justamente esse momento da vida dos animais. A ideia do ensaio surgiu quando Isa visitou parentes em um sítio em Nova Jersey e viu Petey, um cavalo cego de 35 anos de idade. Isa conta que ficou hipnotizada pela imagem daquele animal e começou a fotografá-lo. Depois, fez imagens de outros bichos idosos. Um galo, outro cavalo, um cachorro, um casal de ovelhas.
Vários, segundo Isa, tinham sido maltratados, pareciam cansados. Outros pareciam calmos. E, alguns, olharam desafiantes para a câmera. Em muitos momentos, ela conta que foi preciso conter as lágrimas. Como quando tirou fotos do galo sem idade definida cujas asas, sem penas, expunham os ossos. Mas mostrar a decrepitude não era a intenção de Isa. Ela queria, em suas palavras, ”ter a certeza de honrar [com as imagens] a experiência do animal”.
A fotógrafa afirma que o trabalho foi a maneira que encontrou de lidar com o próprio medo da velhice e com a sua mãe, que tem Alzheimer. “Minha avó materna também tinha demência. E eu estava morrendo de medo de desenvolver a mesma doença. Esse projeto foi um meio para eu mergulhar nesse medo, tentar entendê-lo melhor e fazer as pazes com o envelhecimento”, disse Isa ao New York Times.
Com seu trabalho, Isa conseguiu fazer as pazes com o seu próprio destino, a velhice, e incentivou a refletir sobre o destino de todos, sobre o que tememos e o que valorizamos.
Rosa Edna Bulcão
Muito interessante este texto sobre os animais velhos, essa fotógrafa americana faz um brilhante trabalho e quando gosto da meteria, quero compartilhar com meus amigos.
Realmente, as vezes deixamos de observar e cuidar dos velhos, seja pessoas ou animais e fiquei pensando. Deus é tão bom conosco, Ele não nos abandona mesmo quando estamos velhos ou abandonados pela família ou "amigos" que seja uma REFLEXÃO!

quarta-feira, 4 de janeiro de 2012

QUEM SEGURA A CORDA?

Este texto achei interessante e foi publicado em 9 de dezembro de 2011 por Amilton Menezes em Rádio Novo tempo, desejei compartilhar com os amigos que aqui visitam.


história que relatava a experiência que alguns botânicos tiveram quando exploravam regiões dos Alpes à procura de novas espécies de flores. Através de binóculos eles encontraram uma flor rara com valor incalculável para a ciência. Porém havia uma dificuldade, ela estava na parte inferior de uma encosta muito inclinada. Para pegá-la alguém precisava descer amarrado em uma corda.
Um menino que a tudo observava foi consultado se faria o serviço em troca de um bom pagamento. Ele olhou para o precipício, pensou e disse: “Eu já volto!”. Algum tempo depois ele retornou seguido por um senhor com os cabelos já grisalhos. Aproximando-se do cientista ele disse: “Eu descerei para pegar a flor se este homem segurar a corda. Ele é meu pai.”
Que Deus possa ajudar-nos a ter a fé daquele menino! Você já aprendeu a confiar em Deus como seu amigo? Se alguém pode dar-nos segurança e “segurar as cordas” da nossa vida, esse alguém é o nosso Pai Celestial.
“Deus disse: Eu nunca os deixarei e jamais os abandonarei” ( Hebreus, capítulo 13 verso 5)
Você está disposto a dizer hoje: “Se meu Pai Celestial segurar a corda eu não tenho o que temer”?
ROSA EDNA BULCÃO

segunda-feira, 2 de janeiro de 2012